REFLETINDO SOBRE AS MINHAS PERDAS…

Então ela, com muito esforço, com o corpo desfalecido e cheia de dor, olhou para mim pela última vez, segurou minhas mãos, deu um último suspiro e partiu para a eternidade…

E eu, sozinho como nunca, senti o peso pesado das minhas enormes perdas!

Senti que tinha perdido minha doce namorada que compartilhou comigo uma vida toda de imensa ternura e emoção.

Senti que tinha perdido minha amada amante que me elevou ao paraíso com inumeráveis e sublimes momentos de muito amor, prazer e doação.

Senti que tinha perdido a pessoa amada que cuidava de mim e de tudo que fazia parte da minha vida, sempre pronta a se doar e sem nada querer em troca.

Senti que tinha perdido a minha maior e melhor amiga, sempre pronta para me ouvir e me apoiar nos momentos mais difíceis da minha vida.

Senti que tinha perdido a minha companheira de lutas, sempre firme e ao meu lado em busca do bem estar da nossa família.

Senti que tinha perdido a mãe das minhas filhas, que sempre as criou e educou com imenso carinho e dedicação.

Enfim, Senti que tinha perdido o maior, o mais valioso e o mais lindo de todos os presentes que Deus tinha me dado!

Então, entre lágrimas e dor, caminhando sem rumo entre ruas, estradas e caminhos, eu comecei a sentir que, apesar das perdas, eu também tinha ganhado, com a Graça Divina, uma quantidade enorme de coisas que ela tinha me deixado e que possuía um valor incomensurável!

Comecei a sentir que tinha ganhado três filhas maravilhosas, cabeças-feitas, frutos do nosso amor, que não me deixavam sozinho e cuidavam de mim de maneira carinhosa e incansável!   

Comecei a sentir que tinha ganhado dois grandes genros que se transformaram em verdadeiros filhos, postando-se ao meu lado com seus ombros amigos nos momentos de dor!

Comecei a sentir que tinha ganhado uma netinha linda, um anjinho doce e meigo que tinha vindo do céu para amenizar as dores e alegrar minha vidas.

Comecei a sentir que tinha ganhado uma sogra que não era sogra, mas um mãe amorosa que afagava meus cabelos com carinho nos momentos de choro.

Comecei a sentir que tinha ganhado uma família acolhedora, com irmãos que compartilhavam comigo a todo instante a minha dor, rezando ao Pai dos Céus para me dar forças e me dando todo o apoio que precisava.

Comecei a sentir que tinha ganhado grandes e inesquecíveis amigos que se transformaram em verdadeiros irmãos, me acolhendo, me dando um abraço gostoso e enxugando minhas lágrimas.

Comecei a sentir que tinha ganhado a oportunidade de aprender com a minha esposa e com seu sorriso irradiante que a vida, apesar de tudo, é bonita, é bonita e é bonita e pode ser bem melhor e será!

Comecei a sentir que tinha ganhado uma vida inteira ao lado dela, com momentos inesquecíveis, maravilhosos, de muito amor, muita espiritualidade, muita paz e muita alegria que ficariam eternamente gravados no meu coração e na minha memória e nunca iriam se apagar!

Comecei a sentir que junto dela tinha ganhado, apesar da dor, uma fé inabalável em Deus que, na sua imensa Sabedoria, sabe o que é melhor para nós seus filhos e nunca iria me desamparar.

Enfim, comecei a sentir que, depois de tanta tribulação, ela estava em paz, infinitamente feliz junto do Pai Eterno, cuidando de nós em outra dimensão.  

E assim, eu vou sentindo e aprendendo que a vida é trem bala parceiro e, como um velho boiadeiro tocando a boiada, com força e com fé, eu vou tocando em frente, andando devagar por que já tive pressa e já sofri demais. Vou aprendendo quetodo mundo ama, que um dia todo mundo chora e que um dia a gente chega e no outro vai embora! …

E assim, levo para sempre comigo, como um mantra, a beleza celestial do sorriso e dos exemplos dela, tentando aprender a me sentir a cada dia mais forte e mais feliz, como ela sempre me quis!

CARTA PARA MINHAS TRÊS FILHAS QUE FICARAM ÓRFÃS: “TCHAU MÃEZICA!”

“Tchau mãezica”, esta foi a última frase dolorida que eu ouvi de uma de vocês antes que a visse pela última vez no seu leito de morte. Doeu-me profundamente! Uma lança pareceu-me perfurar o peito, me estraçalhando o coração! Embora cercado de parentes e amigos, ficamos ali, naquele momento, os três abraçados, com um forte sentimento de que a luz que iluminava nosso caminho tinha se apagado! …

Ledo engano! A luz dela continuou a brilhar e muito entre nós, com um miraculoso legado! …

Olho para vocês três e vejo nitidamente os fortes traços dela harmoniosamente repartidos de forma belíssima e complementar. Na primeira, a primogênita, a inteligência, a tez morena e os traços faciais divinamente copiados. Na segunda, a do meio, a tranquilidade e o jeito meigo e angelical magnificamente estampados. Na terceira, a caçula, a altivez, o carinho e o sorriso singelo e largo irradiando simpatia por todos os lados. A três juntas, como por um milagre divino, a recompõe e a trazem de volta para mim, para bem pertinho de mim, me fazendo sentir feliz e emocionado!

Ela se foi para os braços do Pai, mas permanece firmemente presente, em cada abraço, gesto ou simples olhar que amorosamente trocamos entre nós! O amor e os ensinamentos que ela nos deixou são eternos! O “tchau mãezica“ vai ficar gravado em nosso corações, na firme esperança de que qualquer dia, não importa onde nem quando, a gente vai novamente se abraçar! Deus, lá do Alto, conhece a imensidão e a infinitude do nosso amor e, apesar da partida, nunca, mas nunca mesmo irá nos separar!

Um beijo no coração,

Do Paizão que ama vocês profundamente!

UM PAÍS MAL ADMINISTRADO

Gestão pública não pode e não deve ser coisa para amadores, aproveitadores ou aventureiros; é uma ciência com aplicações práticas em busca do bem comum”. (Vasconcelos, 2020)

Lá pelos idos de 2012 tive a feliz oportunidade de ter acesso a um Artigo do renomado Professor, Consultor de empresas e conferencista brasileiro, Stephen Kanitz, fazendo uma belíssima abordagem sobre o problema da má administração da gestão pública nosso País e que vale a pena ser comentado em alguns aspectos, principalmente tendo em vista as eleições que se aproximam.

Escreveu o Professor em um dos parágrafos iniciais do seu Artigo: “Embora o Brasil forme administradores públicos competentes, eles são os primeiros a serem preteridos para os principais cargos da administração pública. O escolhido é amigo de campanha ou colega da época estudantil”.

Infelizmente, o comentário do Professor pode ser comprovado facilmente; é só dar uma olhada no currículo da grande maioria dos ocupantes de cargos de confiança, carentes de experiência profissional como gestores e também carentes de formação acadêmica. O pior é que a grande maioria não está nem um pouquinho preocupada em investir no seu autodesenvolvimento: “enquanto sou amigo do rei, meu cargo está garantido”. E assim caminhamos de gestão à gestão.

O Professor afirmava que os Estados Unidos são a maior potência econômica mundial pela qualidade de suas teorias administrativas. Quarenta por cento dos colunistas americanos são ou foram gurus de administração, como Peter Drucker, Tom Peters e Michael Porter, que disseminam diariamente o mantra da eficiência, competência e boa administração. No Brasil, eles são substituídos por apadrinhados que desperdiçam seu tempo e o dos outros conversando fiado ou fazendo politicagem que não agrega nenhum valor ao desenvolvimento econômico, mas servem para manter a perenidade no cargo e encher os bolsos e as malas de dinheiro.

Infelizmente, afirmava ainda o Professor, nunca tivemos no Brasil um presidente formado em administração nem que tenha sido presidente de uma das 500 maiores empresas privadas antes de dirigir todo um país. À frente das gestões públicas municipais, o que mais temos são fazendeiros, comerciantes, médicos e empresários que mal frequentaram os bancos escolares e não tem a mínima noção do que é Gestão Financeira e Orçamentária, Gestão de Saúde, Gestão Ambiental, Gestão de Frota de Veículos, Gestão de Estoques, Gestão da Tecnologia da Informação, Gestão de Contratos, Gestão de Processos entre outros tipos de gestão e nem mesmo de Gestão de Pessoas, que é o maior patrimônio de qualquer instituição.

No final do seu Artigo, o Professor afirmava na época: “Vamos rezar para que sejam escolhidos para o primeiro escalão do governo executivos de primeira e ministros com experiência administrativa, que tomem decisões não por critérios políticos, mas por critérios de custos e eficiência”. Infelizmente, pelo visto não foi o que aconteceu e que nem vem acontecendo nos diversos níveis da gestão pública.

Rezar é sempre uma grande alternativa, como disse o Professor, principalmente para aqueles que tem fé, mas o que precisamos realmente neste contexto em que estamos vivendo é de partir para a ação, escolhendo conscientemente, na hora do voto, candidatos que que tenham realmente experiência, formação acadêmica e as competências necessárias para administrar um município, com princípios, valores e ética bem estruturados e além disso, tenham discernimento para acertar na escolha de seus assessores.

Quem tem ouvidos que ouça!

Contatos caesarius@caesarius.com.br www.caesarius.com.br

(Artigo publicado no site da Agência Primaz em 25/10/20 https://bit.ly/2HBjOcX

CESARIUS DICA CULTURAL – LIVRO: A “A QUINTA DISCIPLINA”

CAESARIUS DICA CULTURAL – FILME : “A REDE DE ÓDIO”

A REVOLUÇÃO DOS BICHOS: REFLEXÕES E APRENDIZADOS

Se a liberdade significa alguma coisa, será, sobretudo o direto de dizer às pessoas o que elas não querem ouvir” (George Orwell)

A “Revolução dos Bichos”, publicado na Inglaterra em 1945, é um clássico imperdível escrito por Eric Arthur Blair, mais conhecido pelo pseudônimo de George Orwell (1903-1950), escritor, jornalista e ensaísta político inglês.

O livro pode ser interpretado como uma fábula satírica sobre como o dinheiro e o poder corrompem o ser humano e nos traz uma excelente oportunidade de reflexão, principalmente nos últimos tempos, com a mídia divulgando notícias de diversos líderes que assumem o poder, quer seja nas instituições públicas, quer seja nas instituições privadas, com um discurso moralista e, infelizmente, deslumbrados com as quantias vultuosas que passam por suas mãos, acabam se envolvendo em problemas de corrupção e abuso de poder.

A história se passa em uma fazenda onde os animais se dão conta de que são cruelmente explorados e criados simplesmente para serem abatidos sem piedade (vida de gado!). Liderados por um grupo de porcos, eles então expulsam o dono de sua propriedade e assumem o poder, com a intenção de fazer dela um local respeitoso, em que todos seriam iguais, totalmente livres da opressão e do medo. O problema é que, tão logo os porcos assumem o poder, começam as disputas internas, as perseguições e a exploração do bicho pelo bicho, fazendo da granja um arremedo grotesco da sociedade humana. Protegido por cães ameaçadores, eles passam a se julgar mais importantes e sábios que os demais, mudam-se para a casa grande, onde residia o antigo proprietário e que estava lacrada e começam   governar de uma maneira cruel e ditatorial, escravizando todos os demais animais.  

Com o tempo, alguns animais começaram a questionar que a vida estava pior do que antes e que estavam trabalhando mais, comendo menos e que os ideais da Revolução tinha sido esquecidos. Esses animais questionadores são então acusados de traidores, presos e condenados à morte pelos governantes.

Pouco a pouco os animais que viveram a época do antigo proprietário foram morrendo, e foi se esquecendo como era antes da Revolução. No final, com um triste e irônico desfecho, os porcos aparecem andando sobre duas patas, como os humanos, contrariando os ideais da Revolução, (“quatro patas bom, duas patas ruim”) e, finalmente, associam-se definitivamente aos humanos para o governo da fazenda.

Então, que lições podemos tirar dessa fábula? A mais famosa, evidentemente, relacionada ao contexto em que foi escrito, relaciona-se com a revolução comunista, que surgiu como uma alternativa viável ao capitalismo selvagem, onde o homem era (e ainda é) explorado cruelmente pelo Capital e acabou se transformando em uma ditadura cruel, sem resolver os problemas a que se propôs Carl Marx, seu grande idealizador. Mas outras lições ainda podem ser tiradas, tendo em vista nosso contexto atual.

Nos meios políticos, governantes assumem o poder levantando em altos brados a bandeira da integridade, da competência, prometendo mudanças radicais na forma de governar. No entanto, as lições do passado demonstram que, como na fazenda da Revolução dos Bichos, passados os momentos das propagandas com os discursos inflamados, a situação permanece a mesma ou fica até pior do que a anterior. Algumas figuras dinossáuricas, pintadas enganosamente como grandes articuladores políticos, pulam de governo em governo e permanecem entrincheiradas nos píncaros do poder, fazendo politicagem e atrapalhando a gestão responsável daqueles que querem trabalhar de forma séria e estruturada. Inimigos que se atacavam frontalmente, denegrindo publicamente e reciprocamente a figura um do outro, no final se abraçam, a exemplo da triste imagem, que vai ficar para a história, do Ex-Presidente Lula apertando sorridente a mão do Maluf, amplamente divulgada na mídia em 2012. “Jesus teria de chamar Judas para fazer coalizão se fosse eleito para governar o Brasil”, foi a frase dele que ficou famosa, em uma alusão às alianças que andou fazendo. Troquem a frase “governar o Brasil” para “governar qualquer cidade do interior” e não será de se espantar se fenômenos semelhantes a este se repetirem por aí. Em nome do poder e do dinheiro, abraça-se até o capeta!

Nesta mesma linha, maravilhados, obcecados e contaminados pelos sete pecados capitais, um bando de empresários, executivos, trabalhadores e cidadãos comuns em busca de benesses do “toma lá dá cá” e, infelizmente, até alguns líderes espíritas e religiosos, seguem o mesmo caminho, deixando um rastro de decepção, indignação, vergonha e corrupção por onde passam.

Quiçá um dia possamos passar por uma Revolução, não com a dos Bichos de George Orwell, mas Divina, onde os homens passem a viver integralmente os princípios evangélicos e tenhamos assim o início uma nova era. Utopia?

Se cada um de nós cumprirmos nossa parte, certamente chegaremos lá. É como dizia Mário Quintana “Se as coisas são inatingíveis? Ora! Não é motivo para não querê-las. Que tristes os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas!” …

Quem tem ouvidos que ouça! …

Contatos caesarius@caesarius.com.br www.caesarius.com.br (31) 99345-0515

CESARIUS DICA CULTURAL

CESARIUS DICA CULTURAL

CESARIUS DICA CULTURAL

EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE

Curso “Excelência no Atendimento ao Cliente e Relacionamento Interpessoal no Trabalho” realizado na Sede da NeoClinic, em Belo Horizonte, no dia 29/08/20 pela Cesarius Gestão de Pessoas. A Revolução do Cliente, Expectativa versus Percepção, A Força do Comportamento, Inteligência Emocional no Trabalho e Padrões Comportamentais Neurolinguisticos foram alguns temas abordados. Parabéns à Diretoria da instituição pela iniciativa e aos presentes pela belíssima participação! Se você quiser levar este curso para sua empresa, faça contato conosco!