Posts Tagged ‘ paz ’

MENSAGEM DE PAZ

Em meio a um mundo dilacerado por guerras, com tantos Assads, Trumps, Putins, Kim Jongs, Maduros e outros mais soltos por aí, o Papa Francisco dá o seu recado. Pena que poucos conseguem ouvir… Um final de semana de muita paz para todos nós!

Anúncios

Então é Natal! Imagine!…

natalEntão é Natal! Imagine!…

Imagine que o Estado Islâmico se converteu à essência do Espírito Cristão e se transformou em uma organização mundial na luta pela paz e pela fraternidade…

Imagine que  a guerra civil na Síria acabou e Alepo, como num passe de mágica, foi totalmente reconstruída e as famílias, com suas crianças, puderam voltar em paz para suas casas para celebrar o Natal…

Imagine que a paz tomou conta dos povos do Oriente Médio e cristãos, judeus e mulçumanos se abraçaram, formando uma corrente de respeito, harmonia e tranquilidade…

Imagine que as fábricas de armas  do mundo inteiro fecharam e se transformaram em fábricas de produção de alimentos, roupas e moradias de baixo custo e centros de saúde para atender as populações carentes…

Imagine que não existe mais discriminação por questões de cor, raça, sexo, religião, aparência, condição social ou qualquer outra que possa existir…

Imagine que todos os corruptos do Brasil e do mundo inteiro se converteram e se transformaram em um exemplo de respeito humano, lisura e integridade…

Imagine que nossos Senadores, Deputados e Vereadores aprovaram um Projeto de Lei reduzindo drasticamente seus salários, seus benefícios e suas verbas indenizatórias, assumindo um espírito de doação e dedicação verdadeira à coisa pública…

Imagine que o nosso salário mínimo tornou-se capaz de atender as nossas necessidades vitais básicas e das nossas famílias com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, conforme reza o Artigo VII da nossa Constituição Brasileira…

Imagine que os índices de criminalidade no nosso País caíram a um nível muito pequeno e que a população voltou a poder andar tranquilamente pelas ruas a qualquer hora do dia ou da noite, sentar em frente às suas casas ou nas praças com os amigos e vizinhos para conversar após o horário de trabalho, sem medo de ser assaltada…

Imagine que eu, você e todo mundo vamos, como seres humanos que somos, reconhecer nossos próprios erros e lutar conscientemente pela busca da perfeição e do amor ao próximo…

Então é Natal! Imagine, imagine, imagine e faça a sua parte!…

“Como seres humanos, a nossa grandeza não está em sermos capazes de refazer o mundo, mas em sermos capazes de refazer a nós mesmos”… (Gandhi)

O PAPA SUBVERSIVO

PAPA FRANCISCO“Por que a Igreja católica não ordena mulheres para o execício do sacerdócio?”
“Eu também sou um pecador”.
“Não é nada ecológico, nem religiosamente correto nos reproduzirmos como coelhos”.
“Que mal há em admitirmos o fim natural de uma união matrimonial que não deu certo, nem acrescenta mais?”
“O capitalismo atual que destrói tanto a natureza quanto a vida humana, aumentando o abismo entre os ricos e os pobres é uma sutil ditadura”.
“Se Deus nos deu a vida, esse jardim do Éden, que é a terra, este planeta maravilhoso, nós também temos o dever de preservá-lo”.
“Uma advertência para toda a Igreja. Para que se volte à radicalidade do Evangelho. Este não é o tempo de uma Igreja que busque na comodidade dos salões a sua própria vantagem, uma Igreja que renuncie ao Espírito em nome do poder ou da conveniência política”.
“O episcopado não é uma honorificência, é um serviço. Jesus quis que fosse assim. Não deve haver lugar na Igreja para a mentalidade mundana que diz assim: ‘Este homem fez a carreira eclesiástica e tornou-se bispo’. Não, não, na Igreja não deve haver lugar para esta mentalidade, o episcopado é um serviço, não uma distinção para vangloriar-se. É triste quando se vê um homem que procura este cargo e faz tantas coisas para lá chegar. Quando ali chega, não serve, pavoneia-se, vive apenas para a sua vaidade”.
“Os escândalos na Igreja acontecem porque não há uma relação viva com Deus e com sua Palavra. Assim, os sacerdotes corruptos, em vez de dar o pão da vida, dão um pasto envenenado ao santo Povo de Deus.”
“A corrupção é a gangrena do povo”.
“É evidente a incoerência de quem luta contra o tráfico de animais em risco de extinção, mas fica completamente indiferente perante o tráfico de pessoas, desinteressa-se dos pobres ou procura destruir outro ser humano de que não gosta”.
“Vamos dizer sem medo: queremos uma mudança. Este sistema capitalista já não se aguenta. Os trabalhadores, as comunidades e os povos não aguentam. Nem a terra aguenta!”

Estas palavras que mais parecem originárias de um católico qualquer revoltado com os rumos que a Igreja Católica vem tomando nos últimos tempos ou de um ativista extremado, na verdade foram provenientes da boca do Papa Francisco, como afirma uma reportagem da Revista Ecológico em sua última edição de 31/07/15. A Revista insinua que o Papa é subversivo, numa alusão positiva sobre seu discurso e sobre as ações que ele vem tomando à frente da Igreja Católica. A reportagem traz, de maneira bastante elucidativa, uma síntese da Encíclica “Laudato Si” (Louvado Seja) divulgada pelo Papa no mês passado.

Subversivas ou não, o fato é que o Papa Francisco vem incomodando um monte de gente com suas atitudes e afirmações, inclusive alguns reverendíssimos representantes dentro do próprio clero. Quiçá suas santas palavras ecoem pelos ares e sejam ouvidas por todos nós, servindo de semente para o surgimento de uma nova era com mais integridade, paz, justiça, solidariedade e consciência ecológica. Que Deus ilumine seu caminho!

Para queles que se interessarem a conhecer a Encíclica “Ludato Si” em sua íntegra é só acessar o link http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20150524_enciclica-laudato-si.html.
É uma boa sugestão de leitura em vez de ficar se “emburrecendo” vendo a novela das oito…

JE NE SUIS PAS CHARLIE, JE SUIS JÉSUS

DIÁRIO DE LISBOA XIVHoje é sexta-feira, um novo final de semana se aproxima e minha programação já está definida: je suis etudiant! Vou mergulhar fundo nos livros e cadernos do mestrado e não sei quando volto à tona. E por falar em “je suis etudiant”, a notícia do atentado em Paris tem tomado conta dos debates por aqui, aliás pelo que parece, no mundo inteiro.
Como todos sabemos, três homens mascarados dispararam contra o a sede do Semanário Charlie Hebdo, matando 12 pessoas, entre os quais 02 policiais e 04 cartunistas, em protesto contra a divulgação de charges com alusões consideradas ofensivas ao Profeta Maomé.
Alguns aspectos têm me chamado a atenção com relação ao que se tem divulgado.
Primeiro, o grito do terrorista logo após a dar friamente um tiro na cabeça de uma das vítimas caída no chão:
-“Deus é maior, vingamos o profeta Maomé!”
Fico me perguntando que Deus é este? Se Deus é a essência infinita do amor e da bondade, como é possível conceber vingança e assassinato em seu nome?
Segundo: Absolutamente, de nenhuma forma, podemos entender ou justificar o uso da força bruta e do terrorismo para protestar contra o abuso da liberdade de expressão, quer seja por racismo, discriminação ou qualquer outro tipo de insulto de maior ou menor intensidade. Os próprios mulçumanos condenaram veementemente o atentado e se irmanaram com o resto do mundo. Os verdadeiro islamismo prega a paz e não o terror, como muitos dos seus líderes categoricamente tem afirmado.
Terceiro: Rigorosamente respeitadas as considerações acima, creio no entanto, que outro ponto merece ser considerado. Apesar das inúmeras manifestações de solidariedade ao Charlie Hebdo, das quais compartilhamos, há que se ponderar também que, muito além das paixões envolvidas, ter liberdade de expressão não significa ter o direito de ridicularizar, caluniar e desrespeitar de forma afrontosa as crenças e valores de qualquer ser humano, raça ou religião, mesmo que discordemos dela. Liberdade de expressão implica em respeito e maturidade. Uma caneta mal utilizada pode sim se transformar em uma perigosa arma! Vale considerar que não é a primeira vez que este Semanário se envolve em questões semelhantes. Além disso, não se sabe até que ponto ele está aproveitando desta tragédia irreparável para, com um intuito maquiavélico, elevar seu faturamento com o aumento disparado das próximas tiragens, abordando da mesma forma e tom o tema gerador da tragédia. Os seus dirigentes já divulgaram que vão aumentar a próxima tiragem para 5 milhões de exemplares, número mais de 80 vezes maior que a circulação normal de 60 mil! Com certeza, esta atitude só vai insuflar ainda mais os já exaltados ânimos.
Fico me perguntando, que mundo é este que estamos vivendo e onde vamos parar?
Absolutamente “Je ne suis pas fondamentalist”, mas deste jeito também, ”Je ne suis pas Charlie”. Eu prefiro propagar, num trocadilho sem qualquer resquício de pieguismo: “Je suis Jésus”, com muita paz e amor para compartilhar! E que venha o sábado com muitos estudos para completar!

PARÁBOLA DE NATAL

NATALTodos os anos o povo daquele lugar dizia que Ele renasceria e que Ele transformaria o coração de todos os homens, trazendo muita amor, paz, alegria e felicidade. E eles, sempre a cada ano, esperavam ansiosamente o momento e comemoravam calorosamente a sua chegada. Era um tempo de grandes festas, presentes, abraços e promessas de que dali para frente tudo iria mudar. À noite, o céu estrelado brilhava mais, as luzes das casas e do lugar se acendiam e tudo ficava resplandecente, iluminado. Só que eles diziam que Ele chegava, mas de fato Ele não chegava, eles não deixavam que Ele chegasse, seus corações permaneciam fechados e Ele não podia entrar. E como Ele não podia entrar, tudo continuava do mesmo jeito que estava. Na noite do seu fantasioso nascimento, enquanto alguns se abraçavam, em muitos lugares cabeças eram decapitadas, mulheres se prostituiam e eram estupradas, crianças morriam de fome e eram sexualmente abusadas. Homens guerreavam, ladrões matavam por dinheiro, corruptos roubavam e drogados ficavam como zumbis pelas calçadas. Mesmo nas festas, por trás de muitos sorrisos, beijos e abraços, a falta de amor, a cobiça e a inveja de forma disfarçada imperava. E eles, empaturrando-se numa comilança desregrada, se embriagavam com vinhos finos ou bebidas baratas e, obnubilados, enxergavam que tudo estava bem e que Ele realmente chegara.
No meio de toda essa bagunça, em um lugar próximo, mas distante, uma família humilde se reunia e fervorosamente rezava em torno de um pequeno presépio no altar. Pai, mãe, filhos, irmãos, contritos e irmanados se abraçavam e pediam a Ele para não os abandonar. Então, alí sim, a fé se fez milagre. Uma pequena centelha se iluminou no altar e Ele, naqueles corações, conseguiu penetrar. E aquela pequena centelha que ali nascia, corajosamente e persistentemente, pelos dias à frente, foi lentamente se espalhando e no coração de outros também conseguiu penetrar, e estes foram se transformando nos grandes arautos da paz. A esperança espalhou-se pelo ar…
“Eu vim para que todos tenham vida e tenham vida plenamente”. Que um dia a centelha do Amor se espalhe de forma profunda em todos os corações da humanidade e Ele realmente possa reinar.

NATAL