REVISTA HISTÓRICA E CULTURAL – 170 ANOS DAS FILHAS DA CARIDADE EM MARIANA

OS GRANDES DESAFIOS DA GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL

“Para a política o homem é um meio; para a moral é um fim. A revolução do futuro será o triunfo da moral sobre a política”. (Ernest Renan)

Gestão Pública, indiscutivelmente, não é somente um problema dos representantes dos poderes instituídos e nem somente de algum cidadão mais preocupado com os rumos da nossa cidade ou do nosso País, mas sim de todos nós brasileiros. Ou nos conscientizamos disso ou estamos fadados a continuar eternamente afundados nesse buraco negro que nos encontramos.

Antes de nos aprofundarmos no assunto, é de suma importância ressaltar com muita ênfase que minhas observações aqui não estão direcionadas a qualquer gestor ou gestão pública especificamente, mas de uma forma geral a uma situação preocupante que assola todo o nosso País.

O primeiro e maior problema a ser resolvido é o problema da corrupção. A falta de ética e o desrespeito à legislação são uma praga que assola todos os níveis hierárquicos, dilapidando o patrimônio público e provocando estragos enormes em termos de subdesenvolvimento e miséria. O dinheiro que poderia ser investido nas áreas de saúde, educação e infraestrutura, entre outras, é desviado para encher de dinheiro

apartamentos, malas e cuecas de políticos safados. As manchetes dos jornais estão por aí para demonstrar este triste quadro.

Na mesma linha da corrupção vem o partidarismo e a politicagem. Partidarismo é a utilização facciosa e indevida da máquina pública para atender tendenciosamente a interesses exclusivamente politiqueiros. Desta forma, o representante do poder instituído utiliza de todos os recursos públicos para atrair simpatizantes para o seu partido e angariar votos para sua reeleição e/ou de seus indicados. Impera o interesse próprio. As atitudes altamente declamadas como em prol do bem comunitário são um mero disfarce para atingir exclusivamente os objetivos pessoais. O resto é bobagem!

O terceiro problema gravíssimo a ser resolvido é a questão do patrimonialismo. Patrimonialismo, como já comentamos em edição anterior nesta coluna, é a confusão entre o que é de caráter público e o que é de caráter privado. Assim sendo, essa prática considera a utilização de bens públicos para atender a interesses particulares como perfeitamente normal, sem nenhum problema. Nesse rol, entram a utilização de

infraestrutura, veículos, máquinas, equipamentos, recursos financeiros e todos os outros disponíveis. Prevalece o princípio maquiavélico: o fim justifica os meios…

Outro problema a ser resolvido, também já comentado nesta coluna, é a questão da pessoalidade. Pessoalidade é a concessão de privilégios para determinados indivíduos em detrimento de outros, utilizando os recursos da gestão pública. Aos amigos do rei, tudo, aos demais, nada. Neste contexto, coitado de quem, mesmo tendo competência, não comunga das mesmas ideias partidárias do “rei”! …

Surge também, nesse rol de problemas, a questão da estabilidade no emprego. Uma lei que foi criada para resguardar os direitos do Servidor, trouxe um grave efeito colateral indesejado: um bando de Servidores acomodados, com a boca escancarada cheia de dentes, esconde-se atrás deste estatuto e fica esperando a aposentadoria chegar. Prestam um péssimo serviço à comunidade ou nada fazem e, quando pressionados pelos gestores, ameaçam procurar o Promotor Público, alegando assédio moral! É duro de aguentar! O lado bom da história é que, felizmente, ainda existem muitos

Servidores que se dedicam com força ao estabelecimento do bem público e não se deixam contaminar.

O sexto e último problema está relacionado com a incompetência profissional. Grande parte dos profissionais nomeados para cargos de confiança é composto por profissionais sem nenhuma ou muito pouca formação acadêmica, experiência ou qualificação quase nula para o exercício da função. Estão lá por que são amigos, parentes, apoiaram fortemente a campanha ou foram indicados por esses apoiadores. O pior de tudo é que são imexíveis! Eles, conjuntamente com os acomodados que possuem estabilidade, formam uma grande e triste dupla dura de se aguentar!

Outros vários problemas poderiam ser citados, mas, provavelmente, se nos unirmos para extirpar estes relatados, com certeza teremos um País melhor para se viver. As eleições vêm ai! Quem tem ouvidos que ouça! …

DICA CULTURAL – "HISTÓRIA DE UM CASAMENTO"

LITERATURA EM PAUTA

“Escrever é pintar com palavras” (Vasconcelos, 2019)

Recentemente tive oportunidade de colocar meus talentos literários em pauta, com o lançamento do meu livro de contos “Cousas e Causos que ouvi e vivi”. Uma experiência extremamente interessante e gratificante que merece ser compartilhada.

Lançar um livro é como parir um filho, só que com um parto, algumas vezes, muito mais demorado. Alguns escritores chegam a demorar 10 anos para divulgar um livro, como Margareth Mitchel, autora do clássico “E o vento levou”. O meu demorou cerca de dois anos. É um trabalho de atenção diária que exige muito cuidado e carinho até que o novo ser esteja pronto para ser parido. Um erro de elaboração pode levar a um aborto, a um nascimento prematuro ou retardado, comprometendo fortemente o resultado da obra.

Quando a obra nasce, vem um sentimento de alívio, de orgulho e ao mesmo tempo de expectativa, esperando que ela seja bem aceita e reconhecida pela sociedade.

Cousas e Causos que ouvi e vivi é um verdadeiro tributo à cultura mineira. O livro retrata de uma maneira criativa e divertida estórias ouvidas e vividas por mim durante meus mais de 30 anos de andanças pelas terras brasileiras, de norte a sul do País e no exterior.

Como profissional, estive trabalhando durante longos anos no Estado do Pará, no meio da floresta amazônica, no Estado de São Paulo, em Belo Horizonte e por inúmeras cidades do interior de Minas Gerais. As experiências vividas durante esses longos anos marcaram profundamente minha vida, despertando uma necessidade de compartilhar de forma artística e literária essa vivência que, apesar de descrições aparentemente pouco profundas, trazem em seu bojo belíssimas oportunidades de reflexão sobre a cultura brasileira.

É um livro que tem a pretensão de ser um bom companheiro que traz uma leitura prazerosa para aqueles que já curtem as artes literárias e também para aqueles iniciantes, que ainda não se despertaram para esse costume.

Quem nunca ouviu ou viveu um bom causo mineiro, daqueles saborosamente contados por mestres da nossa Terra, como Luiz Fernando Veríssimo, Saulo Laranjeira ou Rolando Boldrin?

Quem nunca sentou no banco de uma pracinha, sem nada para fazer (coisa rara de se ver nos dias de hoje, principalmente nas grandes capitais) e ouviu de um amigo ou mesmo de um desconhecido, que chega como quem não quer nada, um causo daqueles engraçados ou estranhos que nos faz dar boas gargalhas ou nos deixa assustados e nunca sai da memória?

Cousas e causos que ouvi e vivi visa resgatar, com uma pitada de criatividade e humor, esse velho costume mineiro. 

Leitura, descontração e reflexão: esse trio traz em seu bojo a ousadia de levar você para outros mundos, à moda mineira! Vale a pena conferir!

Convido a todos os meus leitores para que leiam, divirtam-se, reflitam e compartilhem a minha obra. Valorizem a “prata da casa”. Santo de casa faz milagre sim, é só ter pessoas que acreditam e demonstram na prática que acreditam.

Um livro sempre foi e será um grande amigo para aqueles que buscam o conhecimento, o lazer e a diversão!

Para aqueles que tiverem interesse em adquirir um exemplar, “Cousas e causos” está disponível na Livraria Risco e Rabisco da Rua Direita, no Restaurante Lua Cheia ou no meu Escritório, Rua Vila Rica, 25 – Centro, em Mariana. Para aqueles que se interessarem, pode ser também enviado via postal, é só me solicitar.

Faça contato conosco!

http://www.cesarius.com.br caesarius@caesarius.com.br  (31) 99345-0515  

TERÇA GERENCIAL – ESPIRITUALIDADE NO AMBIENTE DE TRABALHO

A primeira da Terça Gerencial de 2020 já tem data e local marcado. No dia 28 de janeiro, às 19h, no centro de Convenções, os interessados em se destacar no mercado de trabalho estão convidados a participar da 8 edição da Terça. O tema do encontro será “Espiritualidade e o Ambiente de Trabalho”. Inscrições no link: https://url.gratis/DiwTL.

"Cousas e Causos na TV Panfletu's. Vale a pena conferir!

No programa Notícia com Paulada desta terça-feira, 21, o apresentador, Ângelo Serafim, recebe o colunista do jornal Panfletus e Sócio-Proprietário da Cesarius Gestão de pessoas, Júlio Vasconcelos, que é Mestre em Ciências da Educação, Master Business Administration – MBA´s em gestão Estratégica de pessoas e Gestão de Recursos e Produção. Júlio, é professor de cursos de MBA de vários Centros Universitários do estado de Minas Gerais, além de palestrante motivacional é instrutor de diversos cursos voltados para desenvolvimento de lideranças organizacionais e formação de profissionais de recursos humanos. Confira a entrevista completa!

Acesse nossas mídias digitais!
Site: www.jornalpanfletus.com.br
Instagram: @jornalpanfletus
Facebook: Jornal Panfletus

LINK: https://youtu.be/8Yb8mdq7OgE

Conteúdo exclusivo é na TV Panfletus. Inscreva-se em nosso canal, ative as notificações e fique por dentro das novidades que estão a caminho

"Cousas e causos" na Mariana FM – 93.5. Não percam!