Archive for the ‘ ética ’ Category

DICAS DE LEITURA DA SEMANA

Dica de leitura da semana: “O Amadurecimento Moral do INFERNO”. Precisamos ler mais, pessoal! Vamos lá!

Anúncios

ENFRAQUECIMENTO MORAL

Operações Lava-Jato, Cui Bono, Eficiência,Mascate, Leviatã, Blackout, Tolypeutes, Satélites, Paralelo, O Quinto do Ouro, Antiquários, Vórtex, Crisol, Cosa Nostra, Fogo de Palha, Carne Fraca, só em 2017 já foram 16 as operações da Polícia Federal. Deste jeito, aonde vamos parar? Vale a pena refletir! Um excelente final de semana para todos!

PRECISA-SE DE MATÉRIA PRIMA PARA CONSTRUIR UM PAÍS

Vejo pelas ruas do nosso País uma multidão carregando faixas com a frase “Fora Temer”. Ok, assim funciona a democracia, mas me veio à lembrança um antigo texto atribuído ao saudoso João Ubaldo “Precisa-se de matéria-prima para construir um País”, escrito pelos idos de 2005, mas que parece-me bastante atual.

Por mais que os críticos insistam que a linha de raciocínio do texto é absurda por que atribui toda a culpa pelos problemas que estamos vivendo exclusivamente ao povo brasileiro, infelizmente, acredito que o seu conteúdo faz todo sentido. Evidentemente, que a abordagem não tem, absolutamente, por intuito inocentar os políticos corruptos, mas sim levar à uma reflexão profunda sobre o papel e a atitude de cada cidadão brasileiro no meio deste contexto deturpado. Será que a culpa está sempre do lado de lá? A culpa é sempre do outro? E eu, como estão minhas atitudes no dia a dia? Venda de votos a troco de um emprego na máquina pública ou de alguns sacos de cimento, compra de CD’s/DVD’s piratas, “gatos” de luz e TV a Cabo, saques de cargas nas estradas, estacionamentos em local proibido, “fezinha” no Jogo do Bicho, Nota Fiscal adulterada ou “fria”, etc., etc…É sempre bom, nestes momentos lembrar um pensamento atribuído à Platão: “Tente mover o mundo, o primeiro passo será mover a si mesmo”…

Vamos ao texto:

PRECISA-SE DE MATÉRIA PRIMA PARA CONSTRUIR UM PAÍS

A crença geral anterior era que Collor não servia, bem como Itamar e Fernando Henrique. Agora dizemos que Lula não serve. E o que vier depois de Lula também não servirá para nada. Por isso estou começando a suspeitar que o problema não está no ladrão corrupto que foi Collor, ou na farsa que é o Lula.

O problema está em nós. Nós como POVO. Nós como matéria prima de um país. Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA” é a moeda que sempre é valorizada, tanto ou mais do que o dólar. Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família, baseada em valores e respeito aos demais.

Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nas calçadas onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO OS DEMAIS ONDE ESTÃO.

Pertenço ao país onde as “EMPRESAS PRIVADAS” são papelarias particulares de seus empregados desonestos, que levam para casa, como se fosse correto, folhas de papel, lápis, canetas, clipes e tudo o que possa ser útil para o trabalho dos filhos… e para eles mesmos.

Pertenço a um país onde a gente se sente o máximo porque conseguiu “puxar” a tevê a cabo do vizinho, onde a gente frauda a declaração de imposto de renda para não pagar ou pagar menos impostos. Pertenço a um país onde a impontualidade é um hábito. Onde os diretores das empresas não valorizam o capital humano. Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e depois reclamam do governo por não limpar os esgotos. Onde pessoas fazem “gatos” para roubar luz e água e nos queixamos de como esses serviços estão caros. Onde não existe a cultura pela leitura (exemplo maior nosso atual Presidente, que recentemente falou que é “muito chato ter que ler”) e não há consciência nem memória política, histórica nem econômica. Onde nossos congressistas trabalham dois dias por semana para aprovar projetos e leis que só servem para afundar ao que não tem, encher o saco ao que tem pouco e beneficiar só a alguns.

Pertenço a um país onde as carteiras de motorista e os certificados médicos podem ser “comprados”, sem fazer nenhum exame. Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no ônibus, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não dar o lugar. Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o pedestre. Um país onde fazemos  um monte de coisa errada, mas nos esbaldamos em criticar nossos governantes.

Quanto mais analiso os defeitos do Fernando Henrique e do Lula, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem “molhei” a mão de um guarda de trânsito para não ser multado. Quanto mais digo o quanto o Dirceu é culpado, melhor sou eu como brasileiro, apesar de ainda hoje de manhã passei para trás um cliente através de uma fraude, o que me ajudou a pagar algumas dívidas. Não. Não. Não. Já basta.

Como “Matéria Prima” de um país, temos muitas coisas boas, mas nos falta muito para sermos os homens e mulheres que nosso país precisa. Esses defeitos, essa “ESPERTEZA BRASILEIRA” congênita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até converter-se em casos de escândalo, essa falta de qualidade humana, mais do que Collor, Itamar, Fernando Henrique ou Lula, é que é real e honestamente ruim, porque todos eles são brasileiros como nós, ELEITOS POR NÓS. Nascidos aqui, não em outra parte… Me entristeço. Porque, ainda que Lula renunciasse hoje mesmo, o próximo presidente que o suceder terá que continuar trabalhando com a mesma matéria prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos. E não poderá fazer nada… Não tenho nenhuma garantia de que alguém o possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá. Nem serviu Collor, nem serviu Itamar, não serviu Fernando Henrique, e nem serve Lula, nem servirá o que vier. Qual é a alternativa?

Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror? Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa “outra coisa” não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados….igualmente sacaneados!!!

É muito gostoso ser brasileiro. Mas quando essa brasilinidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, aí a coisa muda… Não esperemos acender uma vela a todos os Santos, a ver se nos mandam um Messias. Nós temos que mudar, um novo governador com os mesmos brasileiros não poderá fazer nada. Está muito claro. Somos nós os que temos que mudar.

Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda nos acontecendo: desculpamos a mediocridade mediante programas de televisão nefastos e francamente tolerantes com o fracasso. É a indústria da desculpa e da estupidez. Agora, depois desta mensagem, francamente decidi procurar o responsável, não para castigá-lo, senão para exigir-lhe (sim, exigir-lhe) que melhore seu comportamento e que não se faça de surdo, de desentendido.

Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO. AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO EM OUTRO LADO.

E você, o que pensa? MEDITE!!

 

 

OS MENDIGOS E A CARIDADE: MUHAMMAD YUNUS

Confesso que fiquei bastante incomodado com a fala de Muhammad Yunus, sobre a questão de dar esmola ayunus quem nos pede, extraído do livro “O banqueiro dos Pobres” – Editora Ática, 2000. É como dizia Padre Vieira, religioso, filósofo, escritor e orador português da Companhia de Jesus que viveu no Brasil no século XVII: “O bom sermão não é aquele em que as pessoas saem felizes com o pregador, mas aquele onde as pessoas saem infelizes consigo mesmos” . Retransmito a fala do Yunus na íntegra abaixo.  Com todo o respeito, espero que vocês se sintam “infelizes”…

“…somos atacados por todos os lados por mendigos profissionais. Nossa primeira reação é dar-lhes uma esmola. Por que não? Por alguns tostões podemos aplacar nossa consciência. Quando somos abordados por um leproso com os dedos e as mãos devoradas pela doença, ficamos tão chocados que imediatamente levamos a mãos ao bolso e entregamos ao infeliz uma nota que para nós não é nada, mas representa uma fortuna para quem a recebe. Isso é útil? Não, e na maioria das vezes é até danoso.

Aquele que dá fica com a impressão de ter feito alguma coisa, mas não fez absolutamente nada.

Dar dinheiro dispensa-nos tranquilamente de encaramos o verdadeiro problema. Oferecendo uma soma irrisória, ficamos com a consciência limpa. Mas, na verdade, limitamo-nos a nos livrar provisoriamente do problema. Mas por quanto tempo?

A caridade não é uma solução, nem a longo nem no curto prazo. O mendigo passará para o outro carro seguinte e recomeçará e acabará por voltar a ver seu “benfeitor”, de quem agora precisa para viver. Se queremos sinceramente resolver o problema, precisamos nos envolver e dar início a um processo. Se o doador abrisse a porta do carro para perguntar ao mendigo qual é o seu problema, como se chama, que idade tem, se solicitou assistência médica, qual é a sua formação, então poderia talvez prestar-lhe um serviço. Mas entregar-lhe uma nota é implicitamente convidá-lo a sumir de vista para nos deixar em paz.  

Não condeno o dever moral da ajuda, nem o impulso que nos leva a ajudar os necessitados, condeno apenas a forma de que se reveste sua ajuda.

Do ponto de vista do beneficiário, a caridade pode ter efeitos desastrosos. Em muitos casos, ela desmotiva o mendigo a sair de sua situação. Quanto ao doente, ele nem sequer tenta se tratar, pois a cura significaria a perda dessa fonte de dinheiro. Há até mesmo casos, alardeados pela imprensa, de bandos de mendigos que punham recém-nascidos em potes para eles nascerem deformados; assim os mendigos profissionais poderiam transformá-los em instrumentos destinados a amolecer o coração dos passantes.

Em todos estes casos, a mendicância priva o homem de sua dignidade, dispensando-o de prover suas necessidades. Ela o incita à passividade. Não é suficiente ficar sentado e estender a mão para ganhar a vida?

Quando vejo uma criança mendigando, resisto ao impulso natural de dar. Preciso admitir que às vezes me acontece de dar a esmola, sobretudo quando a miséria é tão terrível – um doente, uma mãe cujo filho está à beira da morte – que não posso evitar levar a mão ao meu bolso e dar alguma coisa. Mas sempre que é possível, reprimo este impulso”. Muhammad Yunus – O Banqueiro dos Pobres – 2000

Parece que ele e Aristóteles andaram conversando sobre o assunto…

dar-dinheiro-aristoteles

EIKE BATISTA EM DOIS TEMPOS: RETRATOS DE UM PAÍS EM DECADÊNCIA

eike-i“Há empresários que operam 100% dentro da cartilha correta. Sou um deles e faço questão de me manter assim…Espero que esse tipo de comportamento inspire as pessoas a devolver à sociedade o que esta mesma sociedade proporciona no dia a dia de seus negócios. Quem age com correção acaba recompensado de uma forma ou de outra” (Eike Batista – Livro “O X da Questão” publicado em 2011. Capítulo 34: A Cartilha da Ética).
“O empresário Eike Batista disse em depoimento ter pago US$ 2,35 milhões ao PT a pedido eike-iido ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, de acordo com o Ministério Público Federal (MPF). À época, a quantia era equivalente a cerca de R$ 4,7 milhões. Para operacionalizar o repasse da quantia, o executivo da OSX foi procurado e firmou contrato ideologicamente falso com empresa ligada a publicitários já denunciados na Operação Lava Jato por disponibilizarem seus serviços para a lavagem de dinheiro oriundo de crimes. Após uma primeira tentativa frustrada de repasse em dezembro de 2012, em 19/04/2013 foi realizada transferência de US$ 2.350.000,00, no exterior, entre contas de Eike Batista e dos publicitários”, (globo.com – G1 – 22/09/16 – 09h44).
É deprimente e lamentável ver o que está acontecendo no Brasil. Está muito difícil saber em quem acreditar!…

MINISTRO DO MEIO AMBIENTE SARNEY FILHO VISITA MARIANA E FALA SOBRE A TRAGÉDIA DO ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE BENTO RODRIGUES

SARNEY FILHOVale a pena refletir sobre as palavras do Ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, falando sobre a catástrofe do rompimento da Barragem de Bento Rodrigues. Infelizmente, as palavras do Ministro parecem reforçar o que a mídia vem exaustivamente divulgando sobre a ineficácia das medidas tomadas pela Samarco diante do desastre. É realmente uma grande lástima!
“Sobrevoei mais de 100 quilômetros ao longo do Rio Doce, passando pelo encontro do Carmo com o Piranga, pelo Gualaxo do Norte e, para minha tristeza, vi que a tragédia é continuada, ainda não se esgotou. A cor da água – aquela vermelhidão que carrega o DNA do derramamento da barragem, continua lá. A situação ainda é muito feia”…
BARRAGEM“Sobre a retomada das atividades da empresa, o primeiro aspecto que temos que deixar bastante claro é que essa tragédia ainda não se encerrou. Precisamos, antes de mais nada, ter certeza de que não há mais lama sendo derramada no leito dos rios. Hoje ainda não tenho essa convicção”…
“Sinceramente, não vou me comprometer com nada que possa facilitar a retomada dos trabalhos por parte da empresa. Não vou participar deste ato de assinatura (da declaração de conformidade que autorizou, em âmbito municipal, a retomada da operação da Samarco). Minha presença aqui não é para isto”. (Fonte: Revista Ecológico Nº 90 – Maio/Junho de 2016)

CURSO: ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA – O DESAFIO DO MILÊNIO

CSR - JUN16