SAMARCO EM XEQUE: A ÉTICA, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O ROMPIMENTO DAS BARRAGENS

BARRAGEMA notícia do rompimento das barragens da Samarco tomou conta, de forma trágica e alarmante, nos últimos dias, do noticiário nacional. A catástrofe atingiu proporções incomensuráveis, deixando um rastro de destruição e terror por todos os locais onde a lama proveniente do rompimento passa, contaminando rios e matas e atravessando dois Estados, até chegar ao mar. Os impactos profundos não se restringiram apenas aos aspectos ambientais, mas também aos econômicos, políticos e sociais. O povoado de Bento Rodrigues, o mais próximo das barragens e traumaticamente o mais impactado, sumiu do mapa. A população foi surpreendida com um dilúvio de lama sem ter tempo para escapar. Várias pessoas morreram enlameadas e os remanescentes, em desespero, perderam tudo que tinham e ficaram sem lugar para morar. No meio disto tudo, a empresa agoniza, sendo energicamente atacada por todos os lados. Alguns já dizem que dificilmente ela irá sobreviver e voltar a operar, tamanho o desafio que terá de enfrentar.
No meio deste turbilhão, uma das questões que chama a atenção nisto tudo é o fato de a Samarco durante longos anos ter sido considerada uma das melhores empresas para se trabalhar no País. Em 2015 foi eleita pela quinta vez – sendo o terceiro ano consecutivo – a melhor mineradora do Brasil pelo anuário “Melhores e Maiores” da Revista Exame. Suas crenças e valores foram proclamadas em destaque. Vale a pena abrir aqui um espaço para transcrever na íntegra o que consta em seu site, falando em termos de Missão, Visão e Valores Organizacionais. Tomei a iniciativa de incluir alguns negritos para dar mais ênfase aso aspectos fundamentais.

A Samarco acredita e pratica a mineração responsável, por meio de seus pilares de gestão: Excelência, para fazer sempre mais e melhor; Crescimento, visando gerar e compartilhar valor com solidez e competência; e Conformidade, para nos manter sempre em sintonia com as diretrizes, normas e leis. Temos em nosso DNA a participação no desenvolvimento das comunidades vizinhas, a construção de relação de confiança com nossos parceiros, e, acima de tudo, o respeito à vida. Esses conceitos sintetizam os objetivos traçados em nossa Missão, Visão e Valores organizacionais, garantindo que o desenvolvimento da Samarco se reflita também nas regiões onde atuamos e com os públicos com os quais nos relacionamos.

Missão:
Produzir e fornecer pelotas de minério de ferro, aplicando tecnologia de forma intensiva para otimizar o uso de recursos naturais e gerando desenvolvimento econômico e social, com respeito ao meio ambiente.
Visão 2022:
Dobrar o valor da empresa e ser reconhecida por empregados, clientes e sociedade como a melhor do setor.
Valores:
Respeito às pessoas
Prezamos pela vida acima de quaisquer resultados e bens materiais. Respeitamos o direito à individualidade, sem discriminação de qualquer natureza, e honramos, com nossa responsabilidade, o bem-estar das pessoas e da sociedade, assim como o cuidado com o meio ambiente, por meio da utilização correta dos recursos necessários às nossas atividades.
Acreditamos em nosso papel influenciador e contributivo para o desenvolvimento social e econômico do País, visando ao futuro das próximas gerações.
Integridade
Atuamos com seriedade no cumprimento às leis e respeito aos princípios morais, primando pela dignidade e ética nas relações. Adotamos uma postura honesta e transparente com todas as partes envolvidas em nosso negócio.
Mobilização para resultados
Gostamos de superar os objetivos e metas estabelecidos e temos perseverança em fazer melhor a cada dia, com criatividade, cooperação e simplicidade, buscando constantemente o conhecimento e a geração de ideias inovadoras, para o atingimento de resultados diferenciados e duradouros.

Uau! Não são necessário maiores comentários sobre a magnitude e a profundidade do descrito em termos de valorização e respeito aos seus empregados, às pessoas, às comunidades, à legislação, à vida e ao meio-ambiente, além da propagada “Competência e Excelência, para fazer sempre mais e melhor”.

Mediante tudo isto, fica no ar uma pergunta que não quer se calar: se isto tudo dito acima é verdade, o que aconteceu com a Samarco?

As teorias em termos de gestão de responsabilidade social afirmam que as empresas podem ser enquadradadas em quatro grandes grupos:

High-Profile: são empresas que estão profundamente preocupadas com o aspecto socioambiental, investem pesadamente neste aspecto e divulgam o que fazem.

Low-Profile: são empresas que estão profundamente preocupadas com o aspecto socioambiental, investem pesadamente neste aspecto, mas não divulgam o que fazem.

No-Profile: são empresas que não estão preocupadas com o aspecto socioambiental, não investem neste aspecto, mas também não divulgam que fazem.

False-Profile ou Green-Washing: são empresas que somente aparentam estar preocupadas com o aspecto socioambiental, mas verdadeiramente não investem e não estão preocupadas com este aspecto, no entanto divulgam em altos brados que acreditam e fazem. No fundo estão realmente preocupadas com o lucro obsessivo e imediato. Travestem-se de “verde” para manter as aparências e maximizar cada vez mais os lucros de acionistas insanos e insensatos.

A questão que a Samarco tem a responder neste momento é em qual destes grupos ela verdadeiramente se enquadra. Apesar da tragédia e da colossal falha em vias de ser comprovada, se ela conseguir transformar seu belo discurso em ações efetivas, rápidas e práticas e provar que é de fato uma “high-profile”, poderá sobreviver e sair deste furacão mais fortalecida e preparada. A seu favor, alguns empregados e membros das comunidades envolvidas, preocupados com o futuro ainda pior caso a empresa seja destivada, já estão se movimentando em sua defesa, de forma espontânea e bem embasada.

Vejamos e aprendamos com o desenrolar dos fatos.

Que Deus dê esperança e conforto a todas as vítimas da tragédia e ilumine o caminho dos líderes e das autoridades responsáveis para encontrar o melhor caminho para mitigar os efeitos de tamanha calamidade.

  1. Bem interessante, Júlio! Sem julgamentos, apenas com questionamentos pertinentes. Resta saber: será que alguma empresa no mundo conseguiria sair dessa lama na qual a Samarco se encontra?! É muito mais fácil navegar com o vento a favor, em compensação navegar no fundo do oceano… Complicado! Conhece alguma empresa no mundo que conseguiu gerenciar uma crise dessa magnitude e se salvar no mercado?

      • Júlio César Vasconcelos
      • 24 novembro, 2015

      Grande Luiz Augusto!

      Muito obrigado pelo feedback!

      Para mim, apesar da tragédia, lógico, a ocorrência é um “belo” (terrível) Estudo de Caso. Estou acompanhando para ver o desenrolar. Sinceramente, não sei de casos semelhantes. A BP, com o derramento de petróleo no Golfo Pérsico, creio ter sido em menores proporções.

    • André
    • 25 novembro, 2015

    De que fontes você tirou a classificação em “profiles”? Estou pesquisando o assunto e isto me parece ser algo relativamente novo…

      • Júlio César Vasconcelos
      • 8 dezembro, 2015

      Prezado André, boa tarde!

      Obrigado pelo interesse no tema. Na verdade, não sei se existe algum estudo mais aprofundado sobre este assunto. Baseei-me nos estilos de executivos que gostam ou não de aparecer na mídia (High e Low Profile) para desenvolver minha linha de pensamento, aplicando na gestão da responsabilidade social.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: